Nesta entrevista, Dom Mário Antônio fala da trajetória histórica de profecia da diocese e da oportunidade de Roraima, o Regional Norte1 e a Amazônia ganharem mais espaço entre o episcopado brasileiro.

Cristiane Murray – Cidade do Vaticano/Pe. Luis Modino – Boa Vista

Eleito no início de maio pelo episcopado brasileiro como segundo vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Mário Antônio da Silva nasceu em Itararé (SP), em 1966. Foi ordenado em 1991 em Sengés, no estado do Paraná; em 2010, nomeado por Bento XVI bispo auxiliar de Manaus e em 2016, levado a Roraima pelo Papa Francisco.

Naquele mesmo ano, foi eleito pela Assembleia Geral da CNBB como Presidente do Regional Norte1, para o quadriênio de 2015-2019.

História centenária de profecia

A diocese, que abrange todo o território do estado, nasceu como Igreja particular em 1907 e hoje, está envolvida na linha de frente no acolhimento de imigrantes venezuelanos que fogem da fome, do desemprego e da falta de serviços de saúde no país. A capital Boa Vista, tem hoje cerca de 40 mil habitantes venezuelanos, mais que 10% da população total.

Nesta entrevista, Dom Mário Antônio fala da trajetória histórica de profecia da diocese e da oportunidade de Roraima, o Regional Norte1 e a Amazônia ganharem mais espaço entre o episcopado brasileiro.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA 

 

“Roraima tem uma história de mais de cem anos como Igreja particular. Seu destaque está na coragem de todos os bispos, missionários e missionárias, e também das comunidades locais, na profecia, na vida missionária, na opção pela dignidade dos povos locais e da vida humana”.

“A intenção (na eleição) era que um bispo da Amazônia fizesse parte da Presidência da CNBB, que representasse a Igreja da Amazônia no contexto nacional”.

“ Acredito que esta é uma oportunidade para levar as causas do Regional Norte1, da Amazônia e do fenômeno da migração à uma reflexão mais ampla em meio ao episcopado. ”

“É um caminho positivo que tem tido há anos bastante abertura na Igreja do Brasil, mas que pode ser efetivado com maior qualidade, presença e continuidade no processo de evangelização entre os Regionais da Amazônia e os demais Regionais do Brasil”.

Fonte:  Vatican News