Centenas de pessoas visitaram nos dois dias (13 e 14/09) a Feira do Bem Viver, na sede da Cáritas Diocesana de Roraima. O evento nesses dois dias teve vendas de comidas, artesanatos, oficina sobre economia solidária. Além disso, foi apresentado o conceito de ecologia para as crianças, e em um ato simbólico elas plantaram mudas de árvores na Cáritas Diocesana. Depois disso, houve dança e apresentação musical do artista regional Neuber Uchôa, encerrando o evento.

Na atuação do projeto, iniciado pela Diocese de Roraima através da Cáritas Brasileira, houve uma construção coletiva com o apoio de várias instituições humanitárias e religiosas, como a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Cáritas Brasileira, SPM (Serviço Pastoral do Migrante), IMDH (Instituto de Migrações e Direitos Humanos) e a SJMR (Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados).

Para a representante da Cáritas da Arquidiocese de Manaus, Alfa Martins, ministrante da oficina “Economia solidária”, o método é uma forma de se pensar coletivamente, identificar um problema e juntos buscar uma solução dentro do viés econômico. Aparecendo para trabalhar a questão econômica de uma forma mais organizada.

“Trabalho dentro da economia solidária desde 2010. A proposta da oficina é fortalecer a iniciativa que os grupos têm, porque a oficina vai trazer um pouco do histórico e também como fazer incidência, a partir da economia solidária na comunidade local, junto aos grupos e as entidades. Nós sabemos que a economia solidária é uma alternativa, um complemento de renda. Observando o trabalho feito aqui hoje, eles têm uma grande iniciativa e a oficina contribuiu para que se expanda e de fato, os grupos possam se autossustentar a partir das iniciativas de produção, organização e comercialização dos produtos”, comenta Alfa Martins.

“Pensei em trazer para a Feira, o artesanato Warao, trabalho com material advindo do pé de buriti e com isso elaboramos chapéus, bolsas e várias outras coisas. Agradeço a Cáritas, pois foi uma das instituições que nos ajudou com os materiais que são difíceis de conseguir”, explica expositora venezuelana da etnia Warao, Lucetti Ramos.

 O projeto Caminhos de Solidariedade tem por finalidade um auxilio aos migrantes em três eixos: Interação Brasil-Venezuela, Meios de Vida e Integração. O evento fez parte do segundo eixo, que contempla projetos coletivos e individuais de geração de renda.

Última noite foi encerrada com música regional de Neuber Uchoa

Representante da Cáritas da Arquidiocese de Manaus, Alfa Martins, ministrando a oficina “Economia Solidária”.